IMG_0031_edited_edited.jpg

LIVROS

Cada projeto lançado aqui conta uma história singular, tem cor, voz e ritmo muito próprios, em consonância com o que experimenta e diz o sul da região sul do país, nessa faixa de areia fina entre Oceano Atlântico e Laguna dos Patos. É raro. Conhece, compra, lê e compartilha os livros da Concha Editora. Vem fazer parte da comunidade literária que gostamos de chamar de Concharia.

CATÁLOGO

Durante a pandemia, restringimos nossas saídas ao Correio. Os envios de livros serão feitos na primeira semana de cada mês e, para mantermos frete grátis, no modo econômico.

Azaleia para erva de passarinho

Código de Produto 006
R$35,00
Em estoque
1
Detalhes do produto

Título: Azaleia para erva de passarinho

Autor: Andréia Pires

Gênero: Contos

Número de páginas: 104

Formato: 15x21cm

Azaleia para erva de passarinho, de Andréia Pires, experimenta o deslocamento como tema e estratégia de linguagem no conjunto de contos reunidos. A obra apresenta ao leitor, em quatro partes, 32 narrativas com protagonistas que tentam situar e compreender quem são entre a banalidade e o insólito, entre extremos e descontínuos da vida.

Sobre o livro, por Daniela Delias
“O que faz isso aqui, se não temos nem somos passarinhos”? Palavra, para quem escreve, parece erva daninha agarrada ao tronco. Pergunta queimando a garganta. Palavra, quando inquieta, é deserto também. Mas “toda pessoa no deserto tem uma pá de escavar profundo”. Há quem só tenha fome de areia. Há quem só tenha uma colher. Dito isto, tem-se, aqui, “um ponto de partida para qualquer céu”: Azaleia para erva de passarinho, de Andréia Pires, um livro que reúne a força e a delicadeza de uma escrita que se parte em outras, infinitamente, com admirável zelo poético. Do lado de dentro de cada conto, nenhum sentido se entrega facilmente, nem por herança. Talvez porque a realidade só seja possível se apreendida em seus avessos, feito um céu que só existisse se carregado nas costas. Entre as mãos sujas das meninas que enterram suas bonecas e a memória do homem que guarda sua maior riqueza no centro de uma câmara escura, palavra é, sobretudo, fotografia que não se revela. Como diz o título de um dos contos, que bonito seria se pudesse voar. As janelas que em Azaleia para erva de passarinho se abrem para um último voo noturno são as mesmas que, delicadamente, recebem, em dias de sol, um deus sem pressa a quem se oferece canções e nacos miúdos de maçãs.

--

Clique para ouvir a playlist de Azaleia para erva de passarinho, no Spotify

Salvar este produto para mais tarde