IMG_0031_edited_edited.jpg

LIVROS

Cada projeto lançado aqui conta uma história singular, tem cor, voz e ritmo muito próprios, em consonância com o que experimenta e diz o sul da região sul do país, nessa faixa de areia fina entre Oceano Atlântico e Laguna dos Patos. É raro. Conhece, compra, lê e compartilha os livros da Concha Editora. Vem fazer parte da comunidade literária que gostamos de chamar de Concharia.

CATÁLOGO

Esta nossa tautologia

Código de Produto 010
R$45,00
Em estoque
1
Detalhes do produto

Título: Esta nossa tautologia

Autor: Lucas Zafalon Garcia

Gênero: Conto

Número de páginas: 178

Formato: 14x21cm

Os contos de Esta nossa tautologia partem de um mísero detalhe da vida humana: estamos todos em um grande palco, atuando, como bobos da corte, na comédia de nossas vidas, para o divertimento do Excelentíssimo Universo, que nos assiste confortável em sua melhor poltrona. Nestas estórias, a melancolia e o cômico confundem-se, pois, em última análise, mostram-se dois nomes para uma mesma coisa. Do caso da velhinha simpática que sequestra crianças para suprir a carência do marido falecido ao do personagem literário que se revolta com o desejo superficial de seu criador em tornar-se um escritor famoso reside uma mesma constatação que entrelaça todos os textos deste livro: por trás da superfície que construímos para nossa existência, há apenas o absurdo. A partir daí, podemos decidir o que fazer com o tempo que nos resta; se choramos ou se gargalhamos com o desvelar de nossa condição (ou quem sabe um pouco dos dois).


Sobre o livro, por Daniel Baz

Há algumas formas de se fazer literatura relevante e uma delas envolve mimetizar a catástrofe. Os escritores que dão forma às ruínas, rastros e crises que os rodeiam sobrevivem ao tempo. Existem também várias maneiras de se escrever bons contos e muitas delas envolvem cuidar da tensão e da densidade. Afinal, os efeitos de uma narrativa curta se concentram e se equilibram sobre fio estreito: seus poucos elementos, seu breve conflito, sua leitura de uma assentada. Com isso, cada autor que descubra seus caminhos. Lucas Zafalon Garcia, neste livro de estreia, escolheu ser um escritor do limiar. Ou seja, decidiu escavar e representar as zonas limítrofes que compõem nossa realidade e nosso imaginário, feitas de territórios intersticiais onde os seres confrontam ou convivem com seus opostos radicais. Em suas histórias, o lá e o cá, o ontem e o hoje, o dentro e o fora estão sempre em contato ininterrupto, a um descuido (ou a uma atenção) de distância. Assim ocorre nos contos que exploram o colapso entre o mundo aparente e a realidade sinistra que ele oculta (“Às boas e velhas convenções”, “Coisa de criança” e “Gertrude”); na transubstanciação de fórmulas cinematográficas em cotidiano (“Velho-novo oeste”); na hesitação entre o familiar e o desconhecido (“Doce destino”); no trânsito labiríntico que se converte em existência vertiginosa e cíclica (“Casa”); numa simples escada, capaz de converter o banal em insólito (“Teatro do absurdo”). É também na desfiguração dos limites que os corpos se possuem e (des)controlam (“Gado”), que a vida e a morte se consubstanciam (“Epitáfio em dois atos” e “Outras noites vieram”), que as identidades se despedaçam nos descaminhos da memória (“Tal pai, tal filho” e “Sorriso”) e os sujeitos, em escrutínios perversos, descobrem o outro no interior de si (“Eco” e “Narciso”). Seja nas divisas entre metaficção e intertextualidade ("A vida é sonho” e “Um conto de terror”) ou nas demarcações de tempo em staccato (“Tarde demais”), o autor nos conduz por regiões movediças de encontro e perda, enigma e descoberta. Essa poética de elementos discordantes, mas intercambiáveis, também se manifesta na variedade de cenários e perfis humanos que este livro apresenta, dedicado a mimetizar nossas catástrofes afetivas, políticas, sociais e simbólicas em porções precisas de densidade e tensão. O leitor terminará esta obra convicto de que existem, realmente, muitos jeitos de se escrever bons contos e transformá-los em literatura relevante. E estará certo de que Lucas os conhece todos.

Clique para ouvir a playlist de Esta nossa tautologia no Spotify


Salvar este produto para mais tarde