Concha lança 8 horas por dia, de Ju Blasina



8 horas por dia, da poeta Ju Blasina, é o próximo lançamento da Concha. Para marcar a chegada do livro de estreia da autora vai ter uma festa de calçada bem bacana em Rio Grande, no sábado, 28, tudo a ver com a proposta da publicação. Será às 18h, na O Bárbaro - Barbearia (Domingos de Almeida, 591). O livro já está à venda na loja da Concha e quem comprar exemplares até o dia do lançamento irá recebê-los autografados em casa.

SOBRE A AUTORA

Mulher, feminista, mãe, bióloga por formação, poeta por condição, alquimista amadora e escrava da Netflix nas horas vagas, Juliana Ruas Blasina nasceu na Porto Alegre dos anos 80. Publicou seu primeiro livro de poemas aos oito anos, em cartolina cor-de-rosa, encadernado do lado errado. Vive em Rio Grande onde toca uma barbearia com o marido na garagem de casa.​​ Publica em meios digitais e alguns jornais da região sul do Rio Grande do Sul desde 2009. Foi por anos cronista colaboradora do Caderno Mulher (Jornal Agora, Rio Grande) e da Revista Samizdat, além de integrante do grupo Mandinga Arte Literatura, com o qual levou pelo Estado o projeto Poesia no bar. Tem dois e-books publicados de forma independente (2010 e 2014), vinculados ao blog P+2T. Para Ju Blasina, o livro 8 horas por dia é "um sonho encadernado do lado certo".


UMA PRÉVIA

Tricot

Desfazer velhos sonhos

como quem puxa a ponta solta

do velho agasalho de lã

Enrolar metros e metros

de fio, de novo e de novo

até ter nas mãos um novelo

Olhar para ele

como se fosse a primeira vez

Tecer com ele uma nova peça

que ao menos sirva

Durante a próxima estação.


Poema do amor banal

Perdoe-nos, poeta

mas hoje vivemos num tempo

de tanta pressa e tão pouca virtude

de desejos tão rasos e dizeres rudes

que das costelas fez-se grades

do corpo, o próprio leito:

viver agora é estar preso dentro do peito

e o coração apertado se debate

como quem ora tem ânsia de morrer

ora se ilude

a vida agora anda de um jeito

que temo não mais sabermos amar amiúde.

Turvos

Feito fumaça negra no céu azul

a raiva consumia as meninas

- e onde antes o amor era tudo o que se via

agora isso... um abismo absurdo

era triste admitir que já não havia

lá espaço a miniatura alguma

dela refletida

nem uma lágrima sequer contida nos cantos curvos

e naqueles olhos que um dia foram tão claros

- de um verde esperança tão raro

hoje se viam vazios e turvos

---

SERVIÇO

Festa de lançamento do livro 8 horas por dia, de Ju Blasina

Quando: 28/10, às 18h

Onde: O Bárbaro - Barbearia, na Domingos de Almeida, 591, Rio Grande - RS

Livro: R$ 35

73 visualizações